Da cadeia, preso se passava por mulher, pedia nudes a homens e depois cobrava para não divulgá-los

Segundo delegado, após receber imagens, ele se identificava como mãe da internauta, dizia que a filha era adolescente e pedia dinheiro para não denunciá-lo à polícia. Caso vítima não pagasse, detento se passava por delegado, o qual cobrava propina para não prendê-lo por pedofilia.

A Polícia Civil de Rio Verde, no sudoeste de Goiás, identificou um homem suspeito de se passar por mulheres nas redes sociais para pedir fotos íntimas a homens e, depois, extorquir dinheiro deles para não divulgar as imagens. Segundo a polícia, o suspeito já estava detido e praticava os crimes de dentro do presídio. A investigação apurou que cerca de dez pessoas caíram no golpe e pagaram até R$ 5 mil ao criminoso.

O G1 não conseguiu localizar a defesa do suspeito, pois o nome dele não foi divulgado pela corporação.

Depois de dois meses de investigação, a polícia descobriu, nesta quinta-feira (26), que o criminoso agia de dentro do presídio de Jataí, a cerca de 100 km de distância de Rio Verde. Na cela dele, foram encontrados 11 celulares escondidos em fundos falsos nas paredes e camas.

Preso se passava por mãe e delegado
Segundo a polícia, o suspeito mantinha perfis falsos de mulheres em redes sociais, conversava e trocava fotos íntimas em aplicativos de mensagem.

Após receber os “nudes”, o preso se passava por mãe da internauta, entrava em contato com a vítima dizendo que a filha era menor de idade e cobrava dinheiro para não denunciá-lo à polícia.

Caso não pagasse, um falso delegado também entrava em contato com o homem que enviou as fotos e dizia que, se ele não quisesse ir preso por pedofilia, deveria pagar propina.

Além de se passar por mãe e delegado, em uma das conversas que a polícia teve acesso, o suspeito ainda se identifica como advogado e cobra R$ 3 mil para acompanhar o processo.

Investigação
Segundo a Polícia Civil, foram cumpridos, na quinta-feira (26), mandados de buscas em casas de familiares e cúmplices do investigado. Também foram apreendidos vários comprovantes de depósitos bancários e outras provas. O delegado apura se outras pessoas participavam dos golpes.

Segundo a polícia, como o suspeito já estava preso, ele continuará na prisão, e agora responde também por extorsão, com pena mínima de 4 a 10 anos.

Fonte :

Comentários

0 comentários