Delegada diz que morte de Beto Freitas no Carrefour não foi racismo

Delegada diz que morte de Beto Freitas no Carrefour não foi racismo

A delegada responsável pela investigação do homicídio de João Alberto Silveira Freitas, um homem de 40 anos que foi espancado e morto na última quinta-feira (19) por seguranças de uma rede de supermercados do grupo Carrefour em Porto Alegre, afirmou à Folha de S. Paulo que o caso não se trata de racismo.

Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Porto Alegre, ainda não detalhou a linha de investigação, mas o inquérito que apura a motivação das agressões segue em andamento.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, lamentou o ocorrido, mas também disse que não enxerga que o episódio tenha sido provocado por racismo.

De acordo com a Polícia Civil, Freitas possuía antecedentes criminais por violência doméstica, lesão corporal e ameaça.

Declarações de autoridades

Com a repercussão do caso, diversas autoridades se pronunciaram sobre o assunto bem antes de existir qualquer posição oficial dos órgãos competentes.

Entre eles estão o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que lamentaram o caso e fizeram uma conexão da morte de João Alberto Silveira Freitas com o crime de racismo.

Por meio das redes sociais, Moro escreveu:

“20 de novembro,dia da Consciência Negra,e o destaque do noticiário é o espancamento e morte de João Alberto Silveira Freitas, em um supermercado. A violência racial não pode mais ser tolerada. Que os assassinos sejam punidos com rigor. Minha solidariedade aos familiares e amigos”.

Maia seguiu a mesma linha de raciocínio:

“Em nome da Câmara dos Deputados, envio meus sentimentos à família e aos amigos do João Alberto Silveira Freitas. A cultura do ódio e do racismo deve ser combatida na origem, e todo peso da lei deve ser usado para punir quem promove o ódio e o racismo”, disse o parlamentar.

Agora, com a recente declaração da delegada, a equipe do Conexão Política segue aguardando se Sergio Moro e Rodrigo Maia tomarão atitudes para remover as publicações ou se as mensagens seguirão veiculadas.

Até o fechamento desta matéria nenhum novo posicionamento havia sido feito. Caso ocorra, o espaço segue aberto para atualizações.

Atualização

Horas após a publicação, a Folha de S. Paulo alterou a manchete da reportagem, assim como também o conteúdo.

O título, que inicialmente dizia: “Delegada diz que morte de Beto Freitas no Carrefour não foi racismo ”, foi alterado para “Polícia diz que apurará motivação racial em assassinato de Beto Freitas no Carrefour”.

O texto ao longo da matéria também foi modificado.

Roberta Bertoldo “afirmou à Folha que não era possível ainda definir se o crime teve motivação racista, mas que isso seria apurado”, diz trecho alterado.

Contudo, o texto anterior dizia que a delegada “afirmou à Folha que não se trata de racismo”.

Comentários

0 comentários