5 possíveis causas para o mau hálito da diabetes

5 possíveis causas para o mau hálito da diabetes

 

5 possíveis causas para o mau hálito da diabetes

O mau hálito da diabetes, além de poder indicar algum problema na saúde bucal, tende a limitar a vida social. Porém, esse problema pode ser evitado com alguns cuidados básicos, pois as causas, geralmente, estão associadas aos hábitos diários da pessoa.

 

1. Secura bucal

A situação mais comum, entre os diabéticos, é a xerostomia (secura na boca), em função da glicose alta no sangue. Porque, para eliminar a glicose em excesso, os rins precisam produzir mais urina e, portanto, consomem mais água do organismo. Consequentemente, a quantidade de saliva circulante na boca diminui, podendo gerar lesões e causar o mau hálito da diabetes.

Quanto mais altos os níveis de glicose no sangue, maior a secura bucal, provocando odor desagradável. Alguns diabéticos chegam a ter assialia, que é a ausência total de saliva, causando mau hálito e diversos outros problemas. Por isso, o controle glicêmico é fundamental!

Para tanto, é necessário não apenas seguir o tratamento médico, mas ter uma alimentação regrada e praticar atividade física regularmente. Nesse ínterim, o nível glicêmico do sangue precisa ser monitorado, para o diabético poder fazer ajustes pontuais na rotina. Além disso, é imprescindível beber bastante água, para repor o líquido perdido na urina, evitando doenças e aumentando a sensação de bem-estar.

2. Gengivite e periodontite

Os diabéticos também estão mais suscetíveis a adquirir doenças bucais, como gengivite e periodontite, que causam odor fétido na boca. A gengivite é uma inflamação na gengiva, causada por uma placa bacteriana nos dentes proveniente de resíduos de alimentos. E a periodontite (ou doença periodontal), é um estágio mais avançado da inflamação, no qual infecciona, danifica os tecidos da gengiva e compromete a estrutura dos dentes.

Essas doenças independem da diabetes, porém, como o diabético costuma ter menos salivação, é mais comum surgirem feridas na boca. Assim, a exposição às bactérias é maior. Além disso, a cicatrização é mais lenta para o diabético, principalmente quando a glicemia está alta.

Por isso o diabético precisa ter atenção redobrada com a sua higiene bucal, além de manter hábitos saudáveis! Porque qualquer descuido pode ser uma oportunidade para as bactérias entrarem em ação. Portanto:

  • escove bem os dentes após consumir qualquer tipo de alimento;
  • utilize fio dental, para garantir que não ficarão resíduos entre os dentes;
  • complemente a higienização com um aromatizante bucal feito para diabéticos, para proteger a mucosa e eliminar o mau hálito.

3. Corpos cetônicos

O odor que costuma ser mais associado ao mau hálito da diabetes é o de acetona ou fruta envelhecida. Porque quando o organismo não consegue transformar a glicose em energia, para o seu funcionamento normal, recorre à gordura do corpo a fim de suprir os órgãos vitais, processo no qual provoca a formação de corpos cetônicos.

Isto acontece mais com pessoas que têm diabetes tipo 1, pois seu pâncreas não é capaz de produzir nenhuma insulina. Então, se não houver aplicação insulínica frequente e monitorada, o organismo pode usar a sua gordura e produzir corpos cetônicos.

Já com aqueles que têm diabetes tipo 2, isso acontece quando os níveis de glicose ficam tão altos que a ação da insulina torna-se totalmente comprometida e/ou o pâncreas não consegue mais produzir a insulina. Porém, estes casos podem ser revertidos com o controle da glicemia. Assim o pâncreas volta a produzir insulina e esta, por sua vez, trabalha melhor na transformação da glicose em energia.

4. Hipoglicemia

A hipoglicemia (baixo nível de glicose no sangue) também pode ser um fator contribuinte para o mau hálito da diabetes. Porque, quando a glicose está muito mais baixa do que o normal, o fígado produz mais ureia (produzida geralmente após a ingestão de proteínas), intensificando o mau cheiro.

Da mesma forma, períodos prolongados de jejum podem causar o aumento da produção desta substância e gerar o mau hálito. Pois intervalos muito grandes sem a ingestão de alimentos levam à queda da glicemia, principalmente no caso do diabético.

Então convém estabelecer uma rotina alimentar que inclua pequenos lanches saudáveis durante o seu dia, além das refeições principais. E é sempre bom levar algum alimento a mais, quando sair, para não correr o risco de hipoglicemia por fome. Além disso, ficar atento aos índices glicêmicos, tanto para evitar problemas de mau hálito como as complicações típicas da diabetes.

5. Saburra lingual

Outro fator que pode contribuir para o mau hálito da diabetes é a saburra lingual, uma placa bacteriana esbranquiçada ou amarelada que se forma no fundo da língua, composta por resíduos de alimentos e bactérias.

Todas as pessoas têm um pouco de saburra lingual, naturalmente, mas em quantidade pequena e quase imperceptível. Mas como o diabético tem um baixo fluxo salivar, especialmente quando a glicemia está alta, a língua perde um pouco do seu “limpador natural”, ficando mais vulnerável à fermentação de restos de alimentos em sua superfície. Este processo libera um componente de enxofre (VSC – Componente Volátil de Enxofre), que tem um odor parecido com o de ovo estragado.

Porém, mesmo estando mais propenso à formação de saburra lingual, se o diabético sempre fizer a higiene bucal após consumir qualquer alimento e beber bastante água, a língua permanecerá limpa, saudável e sem “hálito de enxofre”. Também é importante cuidar da saúde como um todo e controlar a glicemia, para que o organismo funcione adequadamente, inclusive na produção de saliva.

Você pode eliminar o mau hálito da diabetes!

Como você pôde ver, embora o diabético seja mais suscetível a situações que provocam mau hálito, na maioria dos casos, os hábitos e cuidados básicos da pessoa influenciam diretamente em sua saúde bucal.

Portanto, se você ou alguma pessoa próxima sofre com o mau hálito da diabetes, procure descobrir a causa (ou orientar essa pessoa) e eliminar a raiz do problema, cuidando bem da sua higiene bucal. E tenha sempre com você um aromatizante bucal para dar uma sensação de frescor e liberdade nos contatos sociais.

Experimente e comprove! Você terá mais saúde e alegria de viver!

Por Joana Kerr

Fonte :

Comentários

0 comentários