Ele me tira da zona de conforto, Raphael Veiga sobre Luxa

Ele me tira da zona de conforto, Raphael Veiga sobre Luxa

Raphael Veiga chegou ao Palmeiras em 2017 como uma das grandes revelações do Brasileirão. Em um clube de massa, com concorrência enorme, o meia só conseguiu chegar ao melhor momento agora, três anos depois. Pelo menos essa é a avaliação do próprio, que quer ratificar o bom momento e engatar a maior sequência pelo clube alviverde.

 

 

São cinco jogos consecutivos e chance de alcançar a melhor marca, desde que ocupe a meia neste sábado, contra o Ceará, às 19h (de Brasília), no Allianz Parque, pela 13ª rodada do Brasileirão.

Em entrevista exclusiva ao ge, depois de gol e boa atuação contra o Bolívar, pela Copa Libertadores, Veiga enxerga o recém-espaço dado por Vanderlei Luxemburgo como fator fundamental para o embalo no Palmeiras. Enfim, o meia consegue atuar com maior naturalidade e apresentar o nível de futebol que despertou a atenção palmeirense ainda em 2016.

— ­­Pode ser que sim (melhor momento no clube). No ano passado também tive uma sequência e fiz gols com o Felipão, mas acredito que, além de estar fazendo gols, estou fazendo bons jogos, então fico feliz por isso. Dá uma confiança a mais, pois é algo que eu estava buscando e todo jogador precisa de uma sequência para ficar mais confiante —analisou Veiga, antes de exemplificar como tem sido beneficiado pelos minutos a mais em campo.

— Com sequência, o jogador começa a achar um espaço no campo que, jogando um e saindo no outro, não acontece. Fazia mais de um ano que eu não jogava os 90 minutos, e na quarta consegui jogar. Foi muito importante para mim ­— ressalta Veiga, que não atuava em um jogo inteiro pelo Palmeiras desde agosto de 2019, em empate com Grêmio (1 a 1).

Durante a conversa, Veiga ainda contou sobre o papel de Vanderlei Luxemburgo neste processo. O treinador é visto como “diferente” pelo meia. Com Luxa, o jogador de 25 anos não tem sossego no dia a dia de treinamentos.

— Ele é um cara que sabe o que posso fazer e me cobra muito. Ele me tira muito da zona de conforto durante os treinos e jogos, fala comigo o tempo inteiro sobre o que pode me ajudar. Por tudo o que ele ganhou no futebol, eu ouço —assegurou Raphael Veiga.

 

— A forma como ele cobra é diferente. Entende? Isso daí me ajuda bastante. Ele fala o porquê da instrução, ajuda e mostra. Ontem mesmo na preleção antes do jogo, ele mostrou um vídeo nosso e conseguimos ter uma noção melhor do que precisa mudar —completou.

Fonte :
Verdão Web, Verdão Web

Comentários

0 comentários