Bolsonaro rebate narrativa envolvendo Kassio e o caso Battisti

O presidente da República, Jair Bolsonaro, rebateu, nesta sexta-feira (2), uma narrativa que acusa o desembargador Kassio Nunes Marques, indicado por ele ao Supremo Tribunal Federal (STF), de ter impedido a extradição do terrorista italiano Cesare Battisti.Em interação com apoiadores na frente do Palácio da Alvorada, em Brasília, Bolsonaro defendeu a indicação de Kassio ao STF e comentou sobre o caso Battisti:

“No caso Battisti, quem decidiu foi o Lula ou foi a Dilma, um dos dois. E mais ainda: se eu não me engano, o Supremo Tribunal Federal decidiu isso também. Então, era uma coisa transitado em julgado.”

O chefe do Executivo acrescentou:

“Depois, alguém deu entrada na Justiça comum, na primeira, segunda instância, não sei, pedindo a extradição dele, e o desembargador, que não foi o Kassio, falou que era um assunto pacificado. A política era privativa do presidente Lula, e ele decidiu que ficasse no Brasil, o Supremo decidiu.”
E completou:

“Em consequência, não pode um juiz de primeira, segunda instância, modificar decisão do Supremo Tribunal Federal, e o Kassio integrava essa turma, e ele acompanhou o relator.”

 

Comentários

0 comentários