Médico é preso suspeito de agredir e atirar contra a namorada na garagem de hospital

Segundo a Polícia Civil, cirurgião plástico colocou a arma na boca da mulher durante a briga. Foram efetuados dois disparos, que atingiram a perna do médico e a perna da namorada. Ela está internada com estado de saúde estável.

O cirurgião plástico Márcio Antônio Barreto Rocha, de 55 anos, foi preso em flagrante nesta sexta-feira (25) suspeito de agredir e atirar contra a namorada, de 35, após uma discussão no estacionamento de um hospital particular no Setor Bueno, em Goiânia. A briga foi registrada por câmeras de segurança (assista acima). A mulher está internada com estado de saúde estável.

O G1 tenta localizar a defesa do médico. Em nota, o hospital lamentou o ocorrido e disse que colabora com a investigação. O Conselho Regional de Medicina (Cremego) disse que não vai comentar o caso.

A agressão aconteceu por volta das 5h40. Segundo a Polícia Militar, que realizou a prisão, foram efetuados dois disparos. Um deles atingiu a perna da mulher e o outro a perna do médico. Ao serem questionados pela PM sobre a briga, eles disseram que tiveram uma desavença, sem revelar o motivo.

Após receber o socorro médico, médico foi conduzido à Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam). Segundo a titular da unidade, delegada Paula Meotti, o cirurgião plástico colocou o revólver na boca da vítima durante as ameaças.

“A vítima nos relatou que, no momento da discussão, ele saca a arma e coloca na boca dela. Ela tenta se abaixar e, ao mesmo tempo, ela segura o cano da arma, que fez com o que os disparos atingissem a parte inferior do corpo da mulher e do médico”, relata a delegada.

O hospital informou em nota que o fato que não conta com nenhuma participação da unidade hospitalar, sendo protagonizado por médico e terceira pessoa, esta sem nenhum vínculo com o hospital. “Lamenta o ocorrido, embora evidente a sua ausência de responsabilidade, e informa que está colaborando com as investigações conduzidas pelas autoridades competentes”, finaliza a nota.

Fonte :

Comentários

0 comentários