Jovem atropelada e arrastada por 4 km tem mão amputada e perde a mama

PCDF investiga se o motorista que atingiu ela o namorado apostava um racha no momento do acidente

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga se o motorista que atropelou e arrastou um casal na QI 19 do Lago Sul estava participando de um racha no momento do acidente. A informação foi levada aos investigadores por uma das vítimas, o jovem Douglas Gonçalves dos Santos, de 20 anos.

Após ser socorrido, Douglas foi ouvido por agentes da 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul). “Eu vi o carro, era um Volkswagen up! branco, e tinha mais outro [veículo]. Pareciam estar apostando um racha”, contou à reportagem.

“Eu lembro de tudo. Estávamos voltando do Mc Donald’s, quando vi um pardal na minha frente e reduzi. Quando olhei o retrovisor, só deu para ver o farol do carro se aproximando. Não tive tempo para reagir”, conta.
O estado da jovem é grave: os médicos tiveram que amputar uma das mãos da vítima. Ela ainda perdeu a mama. “Corre risco de morte, teve até que amputar uma mão. Eu fiz os exames que apontaram lesões no músculo, mas não quebrei nenhum osso”, afirmou.

O casal estava junto em uma motocicleta e foi atingido em cheio pelo veículo que vinha logo atrás. “Senti a pancada na traseira da moto, quando vi estava debaixo do carro e ele passando em cima das minhas pernas”, descreveu Douglas.

Caído no chão, o jovem viu Paula ser arrastada pelo veículo. “Ficou grudada no capô do carro, foi arrastada. Ficou toda ensaguentada, cortada e uma parte do peito foi arrancada”, lamentou.

Douglas temeu pela sua vida e a da companheira. “Só pensava que não ia andar mais, mesmo depois de ser atropelado, saí procurando ela, olhei no mato, olhei para todos os lados e não achava. Desesperador”, resumiu.

A dificuldade em localizar Paula se deu pelo fato de o carro tê-la arrastado por 4 quilômetros. Após o acidente, o motorista do Volkwagen up! fugiu do local.

O caso está sob investigação da 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul). O jovem já foi ouvido pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

Fonte :

Comentários

0 comentários